press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/3

Olá. Que bom que você se interessa pelo tema Cidade Humana. Será um prazer compartilhar com você os resultados da pesquisa realizada pelo IPCCIC, mas nós gostaríamos de saber quem é você, antes de fazer o download pode preencher e nos enviar o formulário abaixo? 

Seus detalhes foram enviados com sucesso!

Prêmio 

Seja Comunidade

Histórias

inspiradoras

O projeto na

Imprensa

Vídeos

Artigos

Resumo

Formada por profissionais de áreas diversas e estudantes, plateia interagiu com perguntas ao final do Seminário.

Vista geral do público
Vista geral do público
press to zoom
Rosalinda  Chedian comunicando
Rosalinda Chedian comunicando
press to zoom
Marcos Botelho e Félix Diaz
Marcos Botelho e Félix Diaz
press to zoom
Dulce Neves e Abranche Fuad
Dulce Neves e Abranche Fuad
press to zoom

Seminário realizado em 8 de setembro reuniu 180 pessoas.

Acesse os cadernos do projeto Seja Comunidade.Assista ao vídeo do evento.

Pesquisadores se revezaram para explicar a Tecnologia Social do IPCCIC

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Formado por profissionais de várias áreas do conhecimento, o Instituto Paulista de Cidades Criativas e Identidades Culturais concluiu seu projeto de cidade para Ribeirão Preto. Foram três anos de estudos agregando valor ao trabalho que reúne metodologias inovadoras como a Teoria U, desenvolvida por professores de um dos maiores centros de tecnologias do mundo, o Instituto de Massachusetts  - MIT e o Desing Thinking, um conjunto de ferramentas que organiza meios para se ter ideias.

 Como base, os pesquisadores defendem que não são os candidatos à Prefeitura que precisam apresentar seus planos individuais de governo. Segundo o grupo, o ideal é que a cidade tenha seu planejamento para no mínimo vinte anos, elaborado pela sociedade organizada e, a cada eleição, os candidatos informem a população como atuarão para avançar a partir do plano existente. A proposição do Instituto concebe um modelo de cidade planejada com estratégias pensadas a curto, médio e longo prazo.

Estruturada em cinco cadernos, dos quais o primeiro e o segundo foram finalizados, o terceiro é uma obra em constante construção e o quarto e o quinto se referem ao período da execução e avaliação, a Tecnologia Social elaborada pelo IPCCIC se baseia nas referências culturais da localidade para a qual se está realizando o projeto.  O primeiro caderno apresenta as identidades de Ribeirão Preto e seu diagnóstico situacional; o segundo conduz o planejamento estratégico e estuda as potencialidades, o terceiro elenca programas e projetos, o quarto promove a formação de redes de cooperação para a execução das propostas e o quinto estuda os resultados.

Organizada abaixo de dez programas a proposição do Instituto recebeu o nome de “Seja Comunidade”, que reflete o resultado da primeira fase da pesquisa, quando o grupo ouviu vários profissionais e concluiu que o fato de as pessoas não terem o senso de comum, não se proporem a viver em comunidade está na base dos problemas sociais. Os pesquisadores se concentraram, então, em como transformar o cidadão, hoje simples usuário da cidade, em cocriador do seu espaço. Esta demanda levou a muitas leituras. Ao final, o grupo pactuou em defender conceitos como o de transdisciplinaridade, uma maneira de compreender e trabalhar com as diversidades que promove a aceitação do diferente e permite a troca de conhecimento de forma colaborativa e envolvimento, que se baseia no comprometimento e em um nova forma de pensar e viver  a cidade.

A segunda fase da pesquisa apontou que a ausência do amor surge como uma das responsáveis pelo rompimento das relações de pertencimento, tema que o grupo equacionou incorporando ao projeto ações em defesa do amor como atitude pedagógica.

 Na terceira etapa, ao aplicar a Matriz SWOT centrada em Ribeirão Preto, uma metodologia usada em especial pela Administração e pela Economia,   diagnosticou-se os pontos fracos e fortes, as ameaças e as oportunidades da e para a cidade. E foi a partir dessas informações, buscando encaminhamento para cada ponto da matriz, que o terceiro caderno está sendo apresentado.

 No total, o material gerou 380 páginas de informações que desnudam a cidade e a movimentam em direção a um novo conceito que deixou de ser o de Cidade Criativa, para ser o de Cidade Humana. A criação de Redes de Cooperação é o modelo de gestão defendido e os projetos consolidam a transição da fase do problema (pontos fracos e ameaças) para as soluções (pontos fortes e oportunidades).